Blog

5 livros essenciais para você entender o Império Brasileiro

Saudações Patriotas,

Você conhece realmente o Império brasileiro? Quantos livros você já leu sobre o período? Você já deve ter se perguntado porque o Brasil acabou do jeito que conhecemos atualmente. E se eu dissesse que já fomos um Brasil de primeiro mundo, você acreditaria? Conhecer a sua história depende de você, por isso indicamos 5 livros essenciais para que você saiba o que foi o período Imperial brasileiro.

Como o Brasil foi construído? Como éramos? Esqueça o que você aprendeu na escola – ou parte dela – sobre o período imperial do Brasil pois,  de fato, ele é tratado como uma grande caricatura, recheadas de mentiras e inverdades. Quem nos acompanha sabe que um de nossos grandes objetivos é o resgate da nossa verdadeira História e esse texto faz parte desse processo.

Nesse post vamos enumerar 5 livros que, em nossa opinião, fará você entender o que foi o período Imperial e porque é tão importante você saber mais sobre ele. 

 

1 – A democracia coroada – João Camilo de Oliveira Torres 

A democracia coroada João Camillo de Oliveira Torres

Segundo muitos, o livro que melhor explica a monarquia brasileira e o espírito do Império do Brasil! “A Democracia Coroada”, é uma obra que nos mostra como funcionava a monarquia lusitana e, depois, a brasileira.  O nome Democracia Coroada faz alusão a como o líder político uruguaio, General Artigas, definia o regime político brasileiro. É considerado um livro raro, consequentemente, difícil de ser encontrado.

 

2- O Reino que não era desse mundo – Marcos Costa

O Reino que N

Para entender o Brasil de hoje é preciso entender os bastidores de uma disputa pelo poder que começa em 1831 e envolve nada mais, nada menos que alguns dos principais personagens da nossa história. De um lado, os monarquistas, os novos-ricos, D. Pedro I, Duque de Caxias, Barão de Mauá, D. Pedro II, Princesa Isabel, Conde D’Eu; do outro, é claro, os republicanos, os escravocratas, os cafeicultores, Barão de Cotegipe, Benjamin Constant, Quintino Bocaiúva, Floriano Peixoto.
Nas cenas derradeiras, em 1889, o enfermo Imperador D. Pedro II está vindo de Petrópolis. No Rio de Janeiro, duas conspirações estão prestes a se chocar. Em uma das frentes, a Princesa Isabel trama a transição para o Terceiro Reinado. Na outra, os republicanos colocam em marcha planos sediciosos para proclamar a República. No meio, o Marechal Deodoro terá que escolher um dos lados. Ambas as elites caminham sobre um vulcão em erupção.
E o povo… o povo, como sempre, está à mercê de sua própria sorte, sua péssima sorte.”

Sobre o Autor

Marcos Costa pensou em ser arquiteto, mas logo desistiu e foi fazer História na UNESP – campus de Assis. Tornou-se Mestre e Doutor em História Social também pela UNESP. Historiador, professor universitário, pesquisador e escritor. Autor de inúmeros artigos publicados em revistas acadêmicas e dos livros Para uma nova história, Escritos coligidos: textos de Sérgio Buarque de Holanda (em 2 volumes) e O homem que não quis ser imortal.

 

3 – Imperador Cidadão – Roderick J. Barman

    “Quem foi o homem e o imperador D. Pedro II?  Que anseios e frustrações escondiam-se por trás da aparência impassível e ascética do monarca, que assumiu o trono aos 14 anos?Que impacto teve a partida de D. Pedro I para Portugal sobre o herdeiro do Império, então com apenas seis anos e já órfão de mãe? Como ele enfrentou o exílio e morreu pouco tempo depois de deixar o Brasil, em 1889?  Qual foi o legado de seu longo governo?

Munido de vasta documentação, o historiador brasilianista Roderick Barman reconta neste livro a vida do último imperador do Brasil, D. Pedro II – para ele o responsável pela construção do Estado nacional brasileiro. Na obra – que recebeu o prêmio Warren Dean de História do Brasil de 2001, da Conference of Latin American History, da American Historical Association – Barman enfatiza a longevidade e a firmeza da gestão do monarca, relacionando-as à sua personalidade e ao sistema de governo, que teriam moldado em larga medida o caráter e a cultura pública do estado-nação que ele erigiu.

Para enfatizar a capacidade de administração e liderança de D. Pedro II, o livro reconstrói o cenário social e político do Brasil à época em que ele assumiu o poder, em 1841, quando mal havia chegado à adolescência. Era um país intensamente instável, constituído de dezenove províncias unidas apenas pelo idioma e por um governo autocrático, que havia conquistado a independência política e se estabelecido como Estado único havia apenas cerca de duas décadas.

Quando o imperador deixou o governo e o Brasil, 48 anos depois, porém, um Estado-nação havia emergido. Ainda assim, conforme Barman, as realizações e limitações de D. Pedro II foram em grande parte esquecidas pelos brasileiros.”

 

4- A Vida de Dom Pedro II, o Rei Filósofo – Pedro Calmon

“Obra de caráter eminentemente narrativo, esta biografia do segundo imperador brasileiro remete, conforme o próprio título induz, a um d. Pedro II intelectualizado, ligado à cultura e ao saber, imagem que, de certo modo, foi consagrada pela historiografia. 

Lançado em 1939, uma vez que a primeira edição (1938) esgotara-se em poucos meses, o livro ganharia ainda, em 1975, uma edição comemorativa do sesquicentenário do nascimento do monarca, por iniciativa da Biblioteca do Exército.”

 

5 – A Formação das Almas – José Murilo de Carvalho

A obra é vencedora do Prêmio Jabuti (1991) na categoria Estudos Literários (Ensaios).

O que dizem sobre a história de um país os monumentos erguidos em praça pública? Ou as bandeiras e hinos nacionais? Ou, ainda, caricaturas e charges tiradas das páginas de um jornal? José Murilo de Carvalho mostra, com a sensibilidade característica dos bons pesquisadores, como esse material pode ser de grande utilidade para se decifrar a mitologia e a simbologia de um sistema político.

Por meio de imagens, o autor nos oferece um curioso passeio pelo momento de implantação do regime republicano. Entre texto e ilustrações, aprendemos como os mitos de origem criados para a República, seus heróis, a bandeira verde-amarela e o nosso hino traduzem com fidelidade as batalhas travadas pela construção de um rosto para a República brasileira.

 

Comentários

Clique para comentar