Acessórios Produtos

O Dragão da Independência

“O povo não existe por causa do rei, mas o rei existe por causa do povo”.

 John Milton

Considerada por muitos especialistas a mais rara das Ordens Imperiais brasileiras, a Ordem de Pedro Primeiro, Fundador do Império do Brasil, foi criada em comemoração ao reconhecimento da Independência da nossa Nação, a data em que os cidadãos do País sentiram-se prontos para comandar o seu próprio futuro.

Compre Agora

Um monarca é a personificação da nação, guardião dos seus anseios e desejos. Quando o então príncipe regente toma a decisão de ficar no Brasil e dar início ao processo de independência, o faz atendendo aos anseios dos cidadãos que o queriam e o “forjaram” Imperador.

Dom Pedro I ostentando a faixa e a placa da Ordem – Óleo de Simplício Rodrigues de Sá, 1830 (acervo do Museu Imperial, Petrópolis).

Ao fim de 1821, o príncipe Pedro de Alcântara alertava seu pai: “A independência tem se querido cobrir comigo” “(..) dizem me que querem, aclamar Imperador.”

As Cortes Portuguesas, insatisfeitas com o status que o Brasil tinha recebido há alguns anos, além de estar passando por problemas financeiros, decidiu dar voz à proposta de re-colonização do Brasil, que àquela altura já era Reino Unido a Portugal.

Tão logo a intenção de Portugal de rebaixar o Brasil à colônia caiu no conhecimento dos brasileiros, o movimento, antes essencialmente militar, ganhou corpo, e estes passaram a marcar a própria presença com mais força, tanto nas forças armadas quanto na imprensa nacional. Dessa forma, vislumbrando a conjuntura nacional, aconselhado pelo pai e sua esposa, Dom Pedro, antes disposto a cumprir a ordem de retornar, decidiu adiar a partida, contanto que fosse a vontade dos povos.

AAclamação de Dom Pedro I, Imperador do Brasil, no Campo de Sant’Ana, Rio de Janeiro – Aquarela de Jean-Batiste Debret, 1839 – Acervo da Biblioteca do Congresso dos Estados Unidos.

Após milhares de assinaturas em um abaixo-assinado, o Príncipe, futuro Imperador da Nação, decide ficar no Brasil e se recusa a obedecer às ordens de Portugal. Com sua recusa, em 9 de janeiro daquele ano, o príncipe regente faz com que todos percebam que o caminho que levaria à separação definitiva com o reino de Lisboa estava se aproximando.

A morte de seu filho Dom João Carlos – pela qual culpava o levante da Divisão Auxiliadora Portuguesa – que Dom Pedro começa a agir de forma mais incisiva em prol da independência. O príncipe Dom João Carlos inclusive foi reconhecido posteriormente como “protomártir da independência brasileira” pelo Frei Francisco Monte Alverne.

Em maio, o futuro Fundador do Império do Brasil decretou o Cumpra-se, que declarava que as ordens da Coroa Portuguesa só teriam validade no Brasil após passar pelo seu crivo e aval. Quando decidiu convocar uma Assembleia Constituinte no dia 3 de junho, Dom Pedro enviava uma clara mensagem: estava recusando fidelidade à Constituição Portuguesa.

Independência ou Morte! (O Grito do Ipiranga) , Pedro Américo, 1888 – Acervo do Museu do Ipiranga

No dia 7 de Setembro de 1822, às 16 horas da tarde, às margens do Riacho Ipiranga, Dom Pedro de Alcântara, após receber e ler a carta de Dona Leopoldina e José Bonifácio, retira de seu uniforme as insígnias portuguesas convocando seus homens ali presentes a lutar pela liberdade do Brasil. Nascia, naquele exato momento, um sentimento e uma sensação de pertencimento a algo maior. Algo que ainda não possuía um nome definido, mas cuja sensação seria transmitida não só aos contemporâneos do fato histórico, mas a todos os brasileiros de verdade, até os nossos dias: um sentimento de patriotismo.

Preocupados com esse sentimento patriótico um tanto esquecido, nós, da Von Regium, decidimos que já era hora de mergulhar realmente fundo na nossa História e trazer à tona uma das mais belas Ordens que o Brasil já teve: a Ordem de Pedro Primeiro.

Criada através de um decreto datado de 16 de abril de 1826, a ordem acabou sendo regularizada apenas em 19 de outubro de 1842, oito anos após a morte do Imperador. Com este último decreto, a Ordem ganhou suas graduações, números de titulares e um desenho oficial das insígnias.

Muitos atribuem à criação do desenho da Ordem ao artista francês Jean Baptiste Debret, contudo, é muito provável que não tenha sido ele o autor, tendo em vista que o próprio Debret não conseguiu grande precisão ao descrever a insígnia em sua obra Voyage pittoresque. Estudiosos da Falerística (ciência auxiliar da História que estuda as ordens de cavalaria ou de mérito, das medalhas e das condecorações) e da Numismática apontam semelhanças desta insígnia com a Ordem da Coroa de Ferro, criada por Napoleão Bonaparte para o Reino Napoleônico da Itália e posteriormente restabelecida pelo Imperador Francisco I da Áustria, sogro de Dom Pedro e pai de Dona Leopoldina.

A Esquerda:  Insígnias da Ordem (Acervo da Fundação Biblioteca Nacional) | A Direita: Litogravura de F. Lichtenberger – Ordens Honoríficas do Império do Brazil – 1884 (Acervo do Senado Federal).

A Ordem visava agraciar brasileiros e estrangeiros considerados merecedores da mesma. Pelos registros oficiais, constam apenas cinco os titulares dessa Ordem, a saber:
• Imperador Francisco I da Áustria, em 1827;
• Luís Carlos Filipe Rafael de Orléans, 16.º duque de Némours, em 23 de setembro de 1864;
• Francisco II das Duas Sicílias, em 27 de janeiro de 1866;
• Luís Alves de Lima e Silva, marquês de Caxias, em 26 de dezembro de 1868;
• Imperador Alexandre III da Rússia, em 15 de setembro de 1868.

Os graus dessa Ordem foram estabelecidos como Grã-cruz (12 vagas), Comendador (50 vagas) e Cavaleiro (100 vagas).

Dom Luiz de Orleans e Bragança portando a faixa e a placa da Ordem. (Acervo da Casa Imperial do Brasil)

A insígnia foi assim determinada: No anverso, um dragão alado – em referência à Casa de Bragança – encimado por uma coroa imperial e sainte de uma coroa condal (antiga), guarnecido de ramos de café frutados e encimado por fita verde com a inscrição dourada FUNDADOR DO IMPERIO DO BRAZIL. O dragão carrega ao peito, pendente por correntes azuis, um escudo verde e ouro com a inscrição P.I. A coroa condal, esmaltada de branco e maçanetada de ouro, não aparece nas insígnias posteriores, completando-se o dragão com sua cauda. O reverso da insígnia é igual, diferenciando-se pela legenda inscrita na fita AO RECONHECIMENTO DO IMPERIO e no escudo 16-4-1826.

A Esquerda:  Grã-cruz da Ordem pertencente ao Duque de Caxias (Catálogo Banco Safra – 2006) | A Direita:  Insígnia e placa da Ordem de Dom Pedro I

A insígnia pendia de uma fita ou banda de cor verde orlada de branco. Sua banda era acompanhada de uma placa pentagonal dourada, com uma estrela de cinco pontas esmaltada de branco e encimada pela coroa imperial, tendo ao centro um medalhão com o dragão da ordem circundado por um círculo verde e ouro com a legenda FUNDADOR DO IMPÉRIO DO BRAZIL.

Nós acreditamos que tal joia de incrível beleza, com significado igualmente belo, não poderia ficar de fora de nossos produtos. Mesmo sendo uma representação em miniatura, este pin da Ordem de Pedro Primeiro, vem completamente carregado de respeito e História. Respeito por tudo que representa verdadeiramente nosso país e, claro, toda a História contida por trás dele.

O lançamento deste pin representa mais um marco em nossos produtos. Colocá-lo na lapela de sua camisa, como um ornamento em um vestido, no seu chapéu ou, até mesmo, para guardar como item de colecionador, dará um toque de requinte, elegância e conhecimento histórico ao seu cotidiano ou seu acervo.

É pensando nisso que a Von Regium cria seus produtos. Respeitando ao mesmo tempo a sua História e o seu bom gosto.

Compre Agora

Referências:

LUSTOSA, Isabel. D. Pedro I. – Rio de Janeiro: Companhia das Letras, 2006.

PINHEIRO, Artidóro Augusto Xavier. Organização das Ordens Honoríficas do Imperio do Brazil. São Paulo : Jorge Seckler & C., 1884.

POLIANO, Luís Marques. Heráldica – Rio de Janeiro: Ed. GRD, 1986.

POLIANO, Luís Marques. Ordens Honoríficas do Brasil. – Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1943.

SOUSA, Octávio Tarquínio de. A vida de D. Pedro I. – Rio de Janeiro: José Olympio, 1972.

REZZUTTI, Paulo. D. Pedro, a História Não Contada. 1 ed – São Paulo: Leya, 2015

Monarquia 

comente

Clique para comentar